Make your own free website on Tripod.com

SAÚDE BIAZI

Home

AIDS | Arritimia Cardiaca | Arterioesclerose | Bactérias | Catarata | D.S.T. | DPOC | Diálise e Hemodiálise | Diabétes | Dicas e Sondas | Edema Pulmonar | Faringite | Hipertensão | Higiêne e Camas | Hemofilia | Insuficiência Renal | Juramento | Lúpus | Miocardite | Neutropenia | Podologia | Protozoários | Prontuário do Paciente | Rinite | Saúde no trabalho | Terminologias Epidêmicas | Terminologias
Saúde no trabalho

A atenção é ainda o melhor remédio.

PAIR - PERDA AUDITIVA INDUZIDA PELO RUÍDO RELACIONADA AO TRABALHO

Perda auditiva induzida pelo ruído relacionada ao trabalho
O Comitê Nacional de Ruído e Conservação Auditiva, órgão interdisciplinar composto por membros indicados pela Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT) e pelas Sociedades Brasileiras de Acústica (SOBRAC), Fonoaudiologia (SBFa) e Otorrinolaringologia (SBORL) definiu e caracterizou a perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) relacionada ao trabalho, com o objetivo de apresentar o posicionamento oficial da comunidade cientifica brasileira sobre o assunto.

Definição
A perda auditiva induzida pelo ruído relacionada ao trabalho, diferentemente do trauma acústico, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva, decorrente da exposição continuada a níveis elevados de ruído.

Características Principais
1. A PAIR é sempre neurossensorial, em razão do dano causado às células do Órgão de Corti.
2. Uma vez instalada, a PAIR é irreversível e, quase sempre, similar bilateralmente.
3. Raramente leva à perda auditiva profunda pois, geralmente, não ultrapassa os 40 dB NA nas baixas freqüências e os 75 dB NA nas freqüências altas.
4. Manifesta-se primeira e predominantemente nas freqüências de 6, 4 ou 3 kHz, as quais levam mais tempo para serem comprometidas.
5. Tratando-se de uma patologia coclear, o portador da PAIR pode apresentar intolerância a sons intensos, zumbidos, além de ter comprometida a inteligibilidade da fala, em prejuízo do processo de comunicação.
6. Uma vez cessada a exposição ao ruído intenso não deverá haver progressão da PAIR.
7. A instalação da PAIR é influenciada principalmente pelos seguintes fatores: características físicas do ruído (tipo, espectro e nível de pressão sonora), tempo de exposição e suscetibilidade individual.
8. A PAIR não torna o ouvido mais sensível a futuras exposições a ruídos intensos. Á medida em que os limiares auditivos aumentam, a progressão da perda torna-se mais lenta.
9. A PAIR geralmente atinge o nível máximo para as freqüências de 3, 4, e 6kHz nos primeiros 10 a 15 anos de exposição, sob condições estáveis de ruído.

PNEUMOCONIOSES : SILICOSE E ABESTOSE

Nas muitas atividades de trabalho existem inúmeros e minúsculos contaminantes que ficam suspensos no ar.
O ar que respiramos é composto de aproximadamente 21 por cento de oxigênio, 78 por cento de nitrogênio e 1 por cento de outros gases. Nesta combinação, estes gases mantêm a vida. Sua saúde depende do ar puro que você respira, porém quando outras subtâncias estão presentes, você está sujeito a irritações, indisposições, problemas de saúde e até mesmo a morte.



Os riscos em um ambiente de trabalho, muitas vezes, não são percebidos
Qual o papel da empresa? Sua empresa deverá inspecionar regularmente os locais de trabalho para identificar e avaliar a natureza dos riscos que podem estar presentes. Também proporcionar aos seus funcionários a proteção respratória adequada, bem como informações e treinamento, sobre o uso correto dos equipamentos.
Você também desempenha um importante papel. Depois de selecionar o respirador apropriado deve utilizá-lo sempre que estiver em uma área que necessite de proteção respiratória. Para sua própria segurança, verifique se o seu respirador está se ajustando bem ao rosto e se é necessário algum reparo. Também deve comunicar à sua supervisão se houver problemas com o equipamento ou se você tem alguma enfermidade como asma, alergias ou pressão arterial elevada, que o impeça de usar um respirador.
você e sua empresa podem trabalhar juntos para proteger a saúde dos trabalhadores em situação perigosa
Uma das formas de proteger o trabalhador contra a inalação de contaminantes atmosféricos é através do uso de Equipamento de proteção Respiratória (EPR).
Estes equipamentos, popularmente conhecidos como respiradores (máscaras), são constituídos por uma peça que cobre, no mínimo, a boca e o nariz, através da qual o ar chega à zona respiratória do usuário, passando por um filtro ou sendo suprido por uma fonte de ar limpa.
Os respiardores filtrantes são geralmente compostos de várias camadas de filtros, que retém certos contaminantes suspensos no ambiente de trabalho.

No Rio de Janeiro
A vida e a saúde do trabalhador são constantemente ameaçadas por suas condições de trabalho que produzem um grande número de lesões, distúrbios e intoxicações, fazendo do Brasil um dos campeões mundiais de acidentes de trabalho.

Algumas das causas mais freqüentes estão relacionadas ao manuseio de produtos químicos, à falta de manutenção de equipamentos por parte dos proprietários das empresas e à utilização insuficiente dos equipamentos de proteção individual.

Enfrentar estes problemas também é função do SUS, junto com toda a sociedade.
Campanhas de Segurança do Trabalho são determinantes para a proteção do trabalhador e para a redução do índice de acidentes, doenças, mortes e invalidez.

O Conselho Estadual de Saúde do Trabalhador - CONSET, garante o controle social na área técnica e cria uma nova forma de fiscalização, com os Sindicatos atuando em todas as etapas, identificando os problemas e negociando soluções. Nesta luta para promover a Segurança e a Saúde do Trabalhador, estão unidos os Conselhos Profissionais, a Previdência Social, o Ministério e as Secretarias Estaduais do Trabalho, os Órgãos Ambientais, as Universidades, a FIOCRUZ e todos os Sindicatos.

Qualquer irregularidade em seu ambiente de trabalho procure seus sindicatos. O (a) trabalhador(a) conhece, melhor do que ninguém, suas condições de trabalho. Afinal, ele sofre no seu cotidiano o desgaste decorrente do esforço físico, da aspiração de substâncias nocivas, do ruído, da ansiedade, da monotonia do trabalho repetitivo. Assim, conquistas em defesa da Saúde do Trabalhador dependem também da sua luta, ao se mobilizar na defesa de ambientes de trabalho mais saudáveis e dignos, incluindo esta questão na agenda de reivindicações

No estado do Paraná.

Título: Comitê Estadual de Investigação de Óbitos e Amputações Relacionados ao Trabalho
O Comitê Estadual de Investigação de Óbitos e Amputações relacionados ao Trabalho foi implantado no Paraná em 1998, numa iniciativa inédita de diversas instituições com atuação na área de Saúde do Trabalhador, a saber: Secretaria Estadual de Saúde, Secretaria Municipal de Até o início de 2001 já tinham sido encaminhadas para investigação, pelas equipes de Vigilância Sanitária dos municípios, 1.332 casos de óbito ou amputação relacionados com o trabalho.



Saúde dos Trabalhadores e Meio Ambiente
Segundo dados e informe da CUT


Apesar de todos os discursos feitos sobre a "Proteção à Saúde dos Trabalhadores e ao Meio Ambiente", nota-se que, com os avanços da tecnologia e da competitividade imposta pelo processo da globalização, comandada pela economia mundial, implanta-se, cada vez mais, fortes cargas de trabalho que atingem os trabalhadores de diversas categorias e de várias formas. Através do ritmo excessivo de produção na utilização de mobiliários ou ferramentas ergonomicamente condenáveis, da utilização de produtos químicos altamente agressivos à saúde, até mesmo da alta pressão social e psicológica. A conseqüência está representada no dia-a-dia dos trabalhadores pelos acidentes de trabalho e pelo aumento das doenças de trabalho, com o surgimento de epidemias como as LER/DORT (Lesão por Esforço Repetitivo).
As leis providenciarias de segurança e medicina no trabalho, bem como as leis de regulamentação do SUS, devem se tornar para os trabalhadores em instrumentos de defesa dos seus direitos, pois o SUS (Sistema Único de Saúde) é a melhor política de saúde pública para o estado. A CUT defende a gratuidade dos atendimentos com qualidade, onde o verdadeiro funcionamento do sistema ocorre a partir do controle social.
Atualmente não tem havido muitos investimentos na saúde por parte do governo, pois a inviabilização do acesso aos benefícios é a preparação para a privatização.
Junto a este cenário, temos o quadro de endurecimento do governo nas negociações salariais, que indica a necessidade da realização de uma campanha em defesa do serviço público, de prevenção e tratamento das doenças adquiridas em virtude das más condições de trabalho.
É importante investir em alternativas concretas de organização, onde destacam-se as CIPAS (Comissões Internas de Prevenção de Acidentes), OLT (Organização Locais de Trabalho) e também a criação de associações, para tratar dos problemas de Doenças do Trabalho, em especial as LERs, a exemplo da APLER (Associação dos Portadores de Ler do Alto Uruguai Catarinense), uma importante iniciativa dos Sindicatos da micro Alto Uruguai e APLER Florianópolis.

Os indicadores de acidentes no trabalho

Indicadores de Referência - Brasil 2000
· Incidência Acumulada = 1,62 por 100
· Taxa de Letalidade = 8,22 por 1.000
· Taxa de Mortalidade = 15,19 por 100.000
O objetivo do estudo é estabelecer fonte de informação para a formulação de políticas preventivas no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego, através de indicadores representativos da freqüência e da distribuição de acidentes de trabalho, para, focalizando a ação nas áreas prioritárias, potencializar os resultados em termos de redução dos agravos à saúde dos trabalhadores, obtendo conseqüente melhoria dos indicadores de qualidade de vida.

Biazi Saúde