Make your own free website on Tripod.com

SAÚDE BIAZI

Home

AIDS | Arritimia Cardiaca | Arterioesclerose | Bactérias | Catarata | D.S.T. | DPOC | Diálise e Hemodiálise | Diabétes | Dicas e Sondas | Edema Pulmonar | Faringite | Hipertensão | Higiêne e Camas | Hemofilia | Insuficiência Renal | Juramento | Lúpus | Miocardite | Neutropenia | Podologia | Protozoários | Prontuário do Paciente | Rinite | Saúde no trabalho | Terminologias Epidêmicas | Terminologias
Arterioesclerose



Saúde Biazi

Arterioesclerose

A arteriosclerose, termo genérico para o espessamento e endurecimento da parede arterial, é a principal causa de morte no mundo ocidental. Um tipo de arteriosclerose é a aterosclerose, doença que atinge artérias de grande e médio calibre, como as artérias coronárias, as artérias carótidas e as artérias dos membros inferiores.

É caracterizada pelo depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede das artérias, reduzindo seu calibre e trazendo um déficit sangüíneo aos tecidos irrigados por elas. Manifesta-se clinicamente em 10% da população acima de 50 anos, sendo isso apenas a ponta do iceberg, pois seu desenvolvimento é lento e progressivo, e é necessário haver uma obstrução arterial significativa, de cerca de 75% do calibre de uma artéria, para que surjam os primeiros sintomas isquêmicos (sintomas derivados da falta de sangue).
A superfície interna irregular da artéria com arteriosclerose predispõe à coagulação sangüínea neste local, com oclusão (entupimento) arterial aguda - trombose - levando subitamente à falta de sangue para todos os tecidos nutridos por aquela artéria, que podem entrar em isquemia (sofrimento ou necrose e morte).
Por esta razão, o primeiro sinal de arteriosclerose pode ser a morte. Com risco tão elevado, é importante diagnosticar precocemente a doença para detê-la e impedir suas manifestações. Estudos epidemiológicos mostratam que a arteriosclerose incide com maior freqüência e intensidade em indivíduos que têm algumas características, que foram denominadas "fatores de risco":

Idade - Predominante na faixa de 50 a 70 anos.

Sexo - Predominante no sexo masculino, pois as mulheres são protegidas desviando suas gorduras sangüíneas para a produção de hormônio feminino (estrogênio). Após a menopausa, a "proteção" desaparece.

Hiperlipidemia - Indivíduos que têm altos níveis de gorduras circulantes no sangue, sendo o colesterol a principal delas, depositam este excesso nas artérias obstruindo-as progressivamente.
Tabagismo - Os indivíduos que fumam têm um risco nove vezes maior de desenvolver a arteriosclerose do que a população não fumante. Parar de fumar modifica favoravelmente a evolução dos pacientes sintomáticos.

Hipertensão - A hipertensão arterial provoca alteração na superfície interna das artérias, facilitando a penetração das gorduras na parede arterial.

Sedentarismo - A atividade física reduz os níveis de colesterol e favorece a circulação.

História familiar - Assim como a idade e o sexo, não podemos mudar nossa herança genética, e este é um fator também importante, não devendo ser negligenciado. Há famílias que, por diversos desvios metabólicos, estão mais sujeitas à doença.
A arteriosclerose é uma doença sistêmica, acometendo simultaneamente diversas artérias do ser humano. O quadro clínico apresentado pelo paciente vai depender de qual artéria está mais significativamente obstruída:
Caso sejam as coronárias (artérias do coração) se produzirá a dor cardíaca durante o esforço - angina de peito - na evolução crônica ou o enfarte na evolução aguda.
Caso sejam as carótidas (artérias do pescoço), se produzirão perturbações visuais, paralisias transitórias e desmaios na evolução crônica ou o derrame (acidente vascular encefálico) na evolução aguda.
Caso sejam as artérias ilíacas e femorais (artérias de membros inferiores) se produzirão claudicação intermitente (dor nas pernas ao caminhar), queda de pêlos, atrofias da pele, das unhas e musculares e até mesmo impotência coeundi (dificuldade de ereção peniana) nos casos crônicos e gangrena nos casos agudos.

Diagnóstico

O diagnóstico da arteriosclerose é dado pela história clínica do paciente, pelo exame físico com a palpação dos pulsos arteriais e por exames laboratoriais, eletrocardiograma, ultra-sonografia, exame doppler e arteriografia. O angiologista e/ou cirurgião vascular é o médico indicado para este tipo de avaliação.
Tratamento

Para cada fase evolutiva da arteriosclerose e para cada órgão acometido pela doença há uma forma diferente de terapia, mas todas passam por um tratamento básico de controle da hiperlipidemia, do tabagismo, da hipertensão, do diabetes e da obesidade. Melhor que tratar é evitar o aparecimento da doença. Isso pode ser alcançado com uma dieta alimentar equilibrada, não fumando e com a prática regular de exercícios físicos
Prêmio Nobel de Medicina afirma que arteriosclerose poderá ser prevenida
O norte-americano Louis Ignarro, prêmio Nobel de Medicina em 1998, cujas pesquisas ajudaram a criar o viagra, afirmou em Buenos Aires que "os próximos passos da cardiologia serão os medicamentos para prevenir a arteriosclerose".

É uma doença que apresenta sintomas tardios e que só serão sentidos quando já causaram lesão em algum órgão.

Deve-se efetuar periodicamente a dosagem de colesterol, triglicerídios, glicemia, testes ergométricos e angiografias, exames que é aconselhável fazer acima dos 35 anos ou quando houver necessidade.
A prevenção e o tratamento consiste principalmente em evitar o fumo, alimentos gordurosos e o stress, fazer exercícios físicos sempre sob orientação médica.

"A pesquisa indica que uma deficiência na produção de óxido nítrico pode ser um dos mecanismos iniciais de quando a arteriosclerose começa a aparecer", afirmou o cientista, segundo a tradução simultânea, ao discursar no XXVIII Congresso Argentino de Cardiologia.

Ignarro ganhou o Nobel, junto ao norte-americano Robert Furchgott, por causa de suas descobertas sobre as propriedades benéficas da utilização do óxido nítrico no tratamento de doenças cardiovasculares, hipertensão e colesterol.
Ele disse que o caminho da prevenção da arteriosclerose, que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, será o desenvolvimento de medicamentos para ajudar o organismo a produzir maior quantidade de óxido nítrico.
As descobertas de Ignarro abriram o caminho para a produção do viagra, o remédio revolucionário que combate a impotência masculina, e também geraram uma avalanche de pesquisas sobre os benefícios do tratamento farmacológico das patologias cardiovasculares.
O cientista também mencionou as tradicionais dietas para diminuir as situações de risco, como a produção de colesterol, a hipertensão e o tabagismo.
Ignarro disse que o principal objetivo de sua pesquisa é "encontrar uma droga que permita a produção de óxido nítrico da melhor maneira".
Ele também previu que "com o tempo, o óxido nítrico vai ser utilizado não somente no tratamento da hipertensão, mas também para as doenças coronarianas e a arteriosclerose".
Fonte: CNN

Lembre-se:

A visita para o idoso é muito importante, mas deve-se ter cuidado de não passar ao mesmo notícias desagradáveis, evitando que fiquem deprimidos sem necessidade, pois é certo que já não podem resolver mais nada.



Perguntas mais frequentes:


A artérioscleróse é perigosa?

A arteriosclerose é uma doença que, preocupa muito, porque, direta ou indiretamente, provoca um número elevadíssimo de vitimas.

Em que consiste?

É uma afecção generalizada do organismo, devida ao endurecimento, deformação ou falta de elasticidade da parede das artérias, o que determina a má circulação do sangue. Em maior ou menor grau, ela ataca quase todas as pessoas, mas, felizmente, não ocasiona conseqüências enquanto não alcança uma fase avançada.





Como surge a artérioscleróse ?

Pode ser devido a vários fatores, mas o principal é a arteriosclerose, isto é, acúmulo de colesterol e outros elementos do sangue na parede das artérias.
Pode-se dizer que o colesterol é o responsável pela arteriosclerose?
Embora o excesso de colesterol no sangue e a arteriosclerose coexistam com muita freqüência, não é ele o único responsável pela doença, nem está comprovado que sempre a provoque. Contudo, foi confirmado estatisticamente que as pessoas que se alimentam com grande quantidade de gorduras animais são mais propensas a contrair a doença.

0 exame do colesterol no sangue permite prevenir o aparecimento da arteriosclerose?

Permite pelo menos conhecer a presença de um dos fatores predisponentes.
Então, além da gordura, são muitos os fatores que determinam o aparecimento da arteriosclerose.

Mesmo quando uma dieta for controlada, ou seja, quando não contiver mais gorduras do que as necessárias, a afecção pode parecer como conseqüência de muitos outros fatores, inclusive o próprio envelhecimento das artérias, que com os anos tornam-se ressecadas, adelgaçadas e sem elasticidade. Por este motivo, as pessoas de idade avançada são muito mais sensíveis aos efeitos desta doença; também o são pessoas que sofrem de hipertensão, em função do desgaste contínuo das artérias que esta situacão de alta tensão lhes provoca.

Diz-se que as pessoas que consomem óleo de sementes são menos propensas a ter arteriosclerose do que as que consomem azeite de oliva. É verdade?

Sabe-se que o óleo de sementes (de girassol, soja, etc.) contém menos gorduras saturadas que o de oliva, diminuindo os riscos de arteriosclerose.
Parece que a arteriosclerose é uma doença própria da sociedade industrial.
É indiscutível que as tensões da sociedade moderna aceleram o envelhecimento arterial. Prova disso é que atualmente as doenças cardíacas por arteriosclerose figuram entre as doenças que maior número de vítimas provocam; pode-se dizer que 75% das pessoas com mais de 50 anos têm comprometimento com esta doença. Além disso, a arteriosclerose é favorecida pelo sedentarismo, que é um dos grandes males da sociedade civilizada.



Que sintomas apresenta?

Os decorrentes da diminuição do fluxo sangüíneo na parede do organismo afetada pelas lesões.
Quando estas estão localizadas nos vasos, sangüíneos do cérebro, apresentam perturbações da memória, enjôos, debilidade, falta de coordenação e perturbações da mente que, às vezes, chegam a se converter em demência. Quando afetam as coronárias, há insuficiência cardíaca. arritmia e, nos casos mais graves, angindo o peito, provocam o infarto do miocárdio.

Existe algum tipo de tratamento específico?

Embora não se possa devolver às artérias elasticidade que perderam, podem ser administrados medicamentos que melhoram a circulação do sangue. Em alguns casos podese recorrer à intervenção cirúrgica, substituindo-se a artéria afetada por uma veia do próprio paciente ou por uma artéria artificial. É necessário, por outro lado. tratar as conseqüências que daí se originam.

É possível evitar o surgimento arteriosclerose?

Não, mas pode-se atrasar seu aparecimento, evitando, no que for possível, os fatores predisponentes: excesso de gorduras animais, consumo excessivo de cigarros ( 120 ou mais por dial. obesidade e falta de exercício físico.

Está comprovada a relaçao entre a arteriosclerose e o consumo de fumo?

Não se pode dar uma resposta categórica, mas, segundo as estatísticas, a arteriosclerose coronariana é mais freqüente entre os fumantes do que entre os não fumantes.

álcool agrava a doença?

Não foi possível demonstrar-se isso na evolução da doença. Estudo mais detalhado mostrará se o álcool esta ligado a patologia .

Um doente de arteriosclerose pode ter uma vida normal?

Quando a doença se encontra em fase avançada. sua capacidade de adaptação a qualquer esforço é consideravelmente reduzida. Por isso é necessário conhecer os limites de suas possibilidades físicas, e não ultrapassá-los

SAÚDE BIAZI