Make your own free website on Tripod.com

SAÚDE BIAZI

Home

AIDS | Arritimia Cardiaca | Arterioesclerose | Bactérias | Catarata | D.S.T. | DPOC | Diálise e Hemodiálise | Diabétes | Dicas e Sondas | Edema Pulmonar | Faringite | Hipertensão | Higiêne e Camas | Hemofilia | Insuficiência Renal | Juramento | Lúpus | Miocardite | Neutropenia | Podologia | Protozoários | Prontuário do Paciente | Rinite | Saúde no trabalho | Terminologias Epidêmicas | Terminologias
Edema Pulmonar

Saúde Biazi

EDEMA AGUDO PULMONAR CARDIOGENICO

DEFINIÇAO
Edema agudo pulmonar cardiogênico é causado por um aumento súbito da pressao em capilares pulmonares, engurgitamento dos vasos pulmonares (sanguíneos e linfáticos), exsudaçao para o espaço intersticial e espaços intra-alveolares, manifestando-se por dificuldade respiratória em diversos graus.

CAUSAS TOXICAS
Complicaçao secundária observada nas intoxicaçoes que causam:
Arritmias (bradicardias, taquicardia supraventricular, taquicardia ventricular)
Depressao miocárdica (choque)
Isquemia miocárdica
Hipertensao grave.

CAUSAS NAO TOXICAS
Hipervolemia aguda
Arritmias cardíacas
Drogas depressoras cardíacas
Hipertensao
Doença valvular esquerda
Infarto do miocárdio
Miocardite
Isquemia miocárdica grave

MANIFESTAÇOES CLINICAS
Dispnéia, taquipnéia, tosse, expectoraçao espumante, as vezes escarro sanguinolento e sensaçao de morte iminente.
Taquicardia, hipertensao ou hipotensao, rítmo de galope, estertores em bases ou generalizados e sibilos.

DIAGNOSTICO DIFERENCIAL
Síndrome de angústia respiratória do adulto (SARA)
Pneumonite aspirativa
Asma
Hipersecreçao brônquica
Doença pulmonar obstrutiva crônica
Edema pulmonar nao cardiogênico
Broncopneumonia

INVESTIGAÇOES RELEVANTES
Gasometria arterial
Raio X de tórax
Ecocardiograma
Eletrocardiograma
Eletrólitos séricos, uréia e creatinina

TRATAMENTO
Edema pulmonar agudo é considerado uma emergência médica e o tratamento nao pode ser adiado. O tratamento inclui:
Posicao sentada ou decúbito elevado
Oxigênio em alta concentraçao
Nitroglicerina pode ser utilizada como spray sublingual (duas vezes ou 0.8mg) ou um comprimido sublingual. Repetir se necessário
Furosemida: administrar 60 a 80 mg endovenoso em adultos, ou 1 mg/kg em crianças. Pode ser repetido após uma hora
Se o paciente nao responder às medidas acima, entao instituir:
Nitroglicerina EV: administraçao contínua, iniciamente com 10 a 20 µg/min; se necessário aumentar a dose progressivamenye em 10 µg/min com intervalos de 5 a 10 minutos, até dose de 80 µg/min.
Pressao Aérea Positiva Contínua (CPAP) - pode ser feita com máscara.
Ventilaçao com Pressao Positiva Intermitente (IPPV) por ventilaçao mecânica. IPPV deve ser instituída assim que o paciente apresentar qualquer sinal de hipoxia cerebral, choque, PaO2 < 60 mmHg (Fi02 > 0.5), acidose metabólica grave, ou PaCO2 > 60 mmHg.

EVOLUÇAO CLINICA E MONITORIZAÇAO
Monitorizaçao rigorosa deve ser mantida até melhora do paciente e deve incluir:
Pulso e pressao arterial
Rítmo cardíaco
Débito urinário
Oximetria de pulso
ECGs e gasometria arterial seriados
Pressao da artéria pulmonar
Considerar a investigaçao e manejo apropriado em qualquer condiçao alterada ou abaixo da normalidade.

©COMPLICAÇOES TARDIAS
O potencial para complicaçoes tardias depende da duraçao e gravidade da hipóxia e hipotensao, das medidas diagnósticas e terapêuticas instituídas. Podem ocorrer lesoes cerebrais e renais causadas pela hipoxia.



No instalar da sonda, cuidado com a contaminação